Testes de estanqueidade no setor automotivo: quais são e por que devem ser feitos

O setor automotivo está em constante evolução tecnológica e, para garantir a segurança dos bilhões de usuários ao redor do mundo, é fundamental considerar a realização de testes de estanqueidade a fim de evitar qualquer possibilidade de vazamentos nas peças e componentes essenciais do veículo.

E aqui no Brasil, a TEX se destaca como a principal referência nesse segmento, com tecnologia nacional e capacidade de atendimento em toda a linha produtiva da indústria automotiva.

Quer saber mais e como agregar mais segurança, qualidade e conformidade legal à sua montadora? Continue a leitura e confira!

 

Quais tipos de testes de estanqueidade são feitos no setor automotivo?

 

O teste de estanqueidade no setor automotivo pode ser realizado de várias maneiras, dependendo do tipo de equipamento, da aplicação e do fluido utilizado.

As técnicas mais comuns são a inspeção visual, o uso de pressão de ar ou gás, e o uso de líquidos de teste. A escolha da técnica mais adequada depende muito das características do equipamento e das condições de teste. Por isso, é fundamental ter a orientação de especialistas também!

Na prática, o teste de estanqueidade visa verificar se não há vazamentos ou fugas em equipamentos e sistemas, testar a integridade de dutos e tubulações, testar a vedação de tanques, testar a estanqueidade de juntas e conexões, entre outros.

Assim, no caso do setor automotivo, esse tipo de testagem pode avaliar, por exemplo, os sistemas de combustível, ar condicionado e freios para garantir que não haja vazamentos que possam afetar a segurança do motorista e dos passageiros.

 

Como funciona e quais partes do veículo podem ser testadas

 

O teste de estanqueidade automotivo emprega equipamentos de alta tecnologia e qualidade no processo.

Na prática, a peça automotiva testada é alimentada com ar seco pressurizado, que preenche toda a peça, esperando que o fluxo remanescente seja estabilizado e medido por meio de um sensor de micro vazão mássico, que indica de maneira direta o vazamento do fluido injetado.

A próxima etapa do teste de estanqueidade automotiva é a comparação dos parâmetros entre o vazamento detectado pelo equipamento e os pré-ajustados para que a peça possa ser aprovada pelo equipamento, caso esteja dentro das conformidades esperadas.

Os equipamentos mais procurados para a realização do teste de estanqueidade automotiva são os modelos da linha TEX-G4.

Esta linha possui regulagem eletrônica de pressão, que facilita a realização de um complexo teste de estanqueidade automotivo, onde a variação diferencial falha na estabilização adequada devido a problemas relacionados a flutuações térmicas tanto da peça quanto do ambiente.

E entre as partes de veículo que podem ser testadas, vale destacar:

  • – Motores
  • – Sistemas de injeção
  • – Sistema de ar-condicionado
  • – Reservatórios
  • – Câmbios
  • – Pneus
  • – Mangueiras
  • – Coletores
  • – Ignição
  • – Cabeçotes
  • – Bombas
  • – Catalisadores
  • – Caixas de transmissão e direção
  • – Faróis
  • – Conexões
  • – Sensores
  • – Filtros
  • – Freios
  • – Rodas
  • – Bicos injetores
  • – Válvulas
  • – Radiadores
  • – Tanques de combustível
  • – Escapamentos
  • – Tampas
  • – Sistemas eletrônicos

 

Qual a importância dos testes de estanqueidade para a indústria automotiva?

 

Os testes de estanqueidade são essenciais para garantir a segurança, qualidade e conformidade legal dos produtos automotivos.

Assim, além de garantir a eficiência dos sistemas e componentes do veículo, eles também contribuem para a redução de custos e desperdícios, aumentando a confiança dos consumidores na marca.

Nesse sentido, a TEX Equipamentos Eletrônicos disponibiliza dois modelos de equipamentos ideais para a realização de testes de estanqueidade no setor automotivo:

O TEX-G4-DF é um equipamento nacional com circuito pneumático desenvolvido no Brasil e compatível com tecnologias mundiais. Ele utiliza um sensor diferencial para comparar variações de pressão entre a referência e a peça em análise, suportando picos de pressão de até 17bar. Sua pneumática inovadora é robusta e de fácil manutenção, disponível em versões com regulagem de pressão manual ou automática.

Por sua vez, o TEX-G4-VE é ideal para medição de estanqueidade em unidades de vazamento, garantindo resultados rastreados por certificados acreditados. Alimentado com ar seco pressurizado, utiliza tecnologia de micro vazão suíça e circuito pneumático dedicado.

Possui regulagem eletrônica de pressão, sendo indicado para testes em volumes complexos, com modo contínuo de medição para avaliação detalhada dos pontos de vazamento. Em casos específicos, o modelo derivado G4-VF pode ser aplicado, oferecendo volume de referência interno e sistema de início de teste automático.

E se você quer saber mais e conhecer mais a fundo nossas soluções e tecnologias para a realização de testes de estanqueidade no setor automotivo, não deixe de conversar com um dos nossos especialistas e agendar uma apresentação!

(Imagem: divulgação)

Gostou? Compartilhe!

LinkedIn
Facebook
WhatsApp

ARTIGOS RECENTES

FCE Pharma 2024: TEX apresenta soluções para hermeticidade de embalagens e frascos farmacêuticos!
Testes de estanqueidade no setor automotivo: quais são e por que devem ser feitos
Vazamentos em eletrodomésticos: entenda quais os riscos e como melhorar a qualidade de seus produtos
Conheça os produtos que podem ser testados pela TEX
Testes de hermeticidade ajudam a reduzir desperdícios